MITO DE SÍSIFO

Um homem arquivado
sob uma pedra grande
e uma presa de marfim.

Mesmo assim, há poesia
num mundo louco sem fim.
Nem Júlio Verne
buscaria o centro de mim.

 

GEOGRAFIA

Geografia estranha
explorei.
Não encontrei a gema
que explodia em cores
entre os teus seios
pulsantes.
Mergulhei mais uma vez,
loucamente,
como quem busca
o colostro.
Boca infantil
saciada
em tuas auréolas
indecentes,
incandescentes.

 

SONO

Acordo, não durmo.
Pássaro improvisado
um jazz no meu sono.