Fale-me desse amor que fica
No perfume da rosa que te dei
E desfolhaste na madrugada insone.

Preciso saber desse amor imenso, lento, chegando
Para ficar um dia, preso entre nós dois,
Concha do mar, luar de abril,
Brisa que o vento agride.

Fale-me dessa rosa que fica
Num jarro de vidro azul esmaecido,
Onde ela se destaca e adormece,
Amanhecendo em suor de luz.

Fale-me desse amor que fica
Na doçura do cansaço de minhas esperas,
Na luminosidade de um dia festejado de sol,
Na hora íntima, de juntarmos emoções
E mãos!

Preciso desse sorriso seu – amoroso,
Da translúcida hora da afeição infinita
De uma flor, presa ao galho,
Desprendendo-se, parindo sozinha…

Fale-me do amor que fica – eterno,
Lindo e lírico, cheio de noites e madrugadas,
O amor que nada pede, recebe
E se dá!