PROMESSA

Se um dia, por acaso, me quiseres,
proclamarei aos quatro ventos,
aos sete mares,
a todos os homens e mulheres,
a todos os santos dos altares,
até onde alcançar o pensamento.

Se acaso algum dia fores minha,
hei de construir um belo ninho,
onde nós dois, sozinhos,
bem longe dos olhares indiscretos,
seremos os amantes mais secretos
que o mundo acaso um dia conheceu.

Não sendo eu um rei,
mas tu serás minha rainha,
e mandarei construir um lago,
sereno,tranqüilo e, … não repare!
-Ficarei horas a fio, enamorado,
mirando ao longe, encantado,
esse teu corpo de mulher divina.

APELO

- Esquece que eu existo!Vai-te embora!
(Assim, tão simplesmente, me disseste).
-Se acaso algum amor já me tiveste,
esquece,simplesmente, já é hora!…

-Criança, pensa bem nesta verdade:
um homem como eu, não se despreza;
não cuides ser eterna essa beleza
que acaso te envolve a mocidade.

Jamais encontrarás – eis o libelo -
Um homem como eu. Não por ser belo,
Mas servo que por ti espera e implora.

Não deixes que o destino assim destrua,
Por simples ato de fraqueza tua,
Um peito que, sangrando, por ti chora!

RECADO

Não fora minha vida assim tão triste,
talvez te fosse fácil o amor e o gesto,
e em vez dum monstro assim, feio, indigesto
verias que essa máscara que me assiste

Não passa dum castigo e dum maltrato,
que faz-me padecer pena inclemente,
pagando por um crime inexistente,
torcendo e distorcendo o meu retrato.

Não busco te induzir carinho ou pena,
assumo o meu papel, embora a cena
pertença a outro homem, que não eu.

Se um dia descobrires minha face,
verás que por debaixo do disfarce,
sobrevive um acorrentado Prometeu!