Este Poema
Este poema
não chama a atenção
é igual a milhares –
sequer por um momento

ilustra, apático, o passado
caça moscas
paga juros
não tem saco aéreo

víboras, ratos,
ladrões desprezam seu túmulo
uivam lobos de pelúcia
não tem futuro

é abelha cega com sua parelha de óculos
sua língua não é uma esponja
suas antenas farejam Drummond
não enxerga no escuro

não cria inimigos
não morre depois do ataque
não tem farpas
tolera o mundo

Corrupção

CORRUPÇÃO

Régis Bonvicino e Nunca

Mesmo corroído
pela corrupção
irrompe
a cor da flor
e o não

Tema: Nunca
Poema: Régis Bonvicino
Pichação: Nunca

33 Poemas

33 POEMS

JANUARIES

januaries orbit
dead seasons

minutes pierced
into hollow purple

corpses of days
strewn by the door

( exile-iris
almost green

a neo-desert
aborts

Tr. Odile Cisneros

JANEIRO

janeiros orbitam
estações

minutos atravessados
num roxo oco

cadáveres de dias
se esparramam até a porta

( exílio-íris,
verde quase

que um neo deserto
aborta