*Revelações*

minha armadilha de caçar pitombas

é breve como um cochilo,

livre igual atalho,

nuvem espumosa de amor:

no tempo da colheita,

descasco as fibras da saia

e me surpreendo com o tumor.

*Poeira*

pastam líricas

as vacas da minha infância

requebram

as alegrias das descobertas

e me apavoram

com seu sonho devagar.

*Maquiagem*

vira e volta

meu coração é feminino.

lanternas de papel

iluminam a inocência,

uma terra vermelha no peito.

quando escrevo,

volto e viro menino:

uma chuva borra as

árvores do papel.

*Iara Maria Carvalho

*Currais Novos/RN