ARTE POÉTICA

Já dizia Frei Caneca

consultando o cebola

que a diérese

muito freqüente

em poetas beberrões

faz de uma sílaba duas

Como naquela propaganda

da Casa Garcez que vende

cum palito calças três

Mata-se um coelho

com pauladas quatro

e come-se com arroz e repolho

o gato por lebre:

dente por dente

alho por alho…

Aliás…

Assevera Camões

pra cantar

nada melhor

que gargarejar

um copo dágua com bicarbonato

e depois

é só abrir janelas

largar o verbo

cuns bons policassílabos

TRAGÉDIA DIVINA

Mas em que porta

afinal estava escrito,

meu caro Dante,

“Deixai de fora

a última esperança…”

Em que porta?…