LEMBRANDO BERTOLD BRECHT

Por Antonio Capistrano

 

 

POEMAS E NOTAS SOBRE BERTOLD BRECHT

 

O RIO

Do rio que tudo arrasta se

Diz que é violento

Mas ninguém diz violento as

Margens que o comprimem

Bertold Brecht – 1898/1956

Bertold Brecht, intelectual marxista, membro do Partido Comunista Alemão, é um dos autores alemães mais importantes do século XX, principalmente nas suas facetas de dramaturgo e de poeta. Bertolt Brecht dava importância à dimensão pedagógica das suas obras de teatro: contrário à passividade do espectador, sua intenção era formar e estimular o pensamento crítico do público. Um poema que mostra essa sua intenção de força uma visão crítica do leitor é “O Analfabeto Político”, poema que transcrevo abaixo:

O Analfabeto Político – Poema de Bertold Brecht

“O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão,
do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio
dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo qu e odeia
a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta,
o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista,
pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.”
Nada é impossível de Mudar
“Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de
hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem
sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural
nada deve parecer impossível de mudar.”
Privatizado
“Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
É da empresa privada o seu passo em frente,
seu pão e seu salário. E agora não contente querem
privatizar o conhecimento, a sabedoria,
o pensamento, que só à humanidade pertence.”