verbo irregular

pra sempre é passado
é mais uma promessa apostando corrida
com todas as outras
na escadaria da igreja da penha

voltaria atrás
de joelhos
pra chegar primeiro
no futuro

porque se o tempo cura tudo
e o tal futuro a deus pertence
não vou duvidar
que milagres acontecem

mas pra sempre vou achar
não quero me especializar
em ter certezas, em fabricar
situações definitivas

toda vez que me vierem à cabeça
se us lábios de algodão
doce se dissolvendo
nos meus.

Neighborhoods

se o mundo não fosse
esse aterro de
máquinas
barbas
pilhas

débitos
prazos
e canetas
marca-texto

medos
dúvidas
e embalagens
tetrapak

se o mundo não fosse
um aterro de babacas
ou se o mundo não fosse
um abrangente
e resumido
aterro de sinônimos

e se essa rua
se essa rua
fosse tua
eu ia me mudar pra lá.

Fonte: Portal Literal – www.vermelho.org.br – 7/1/2012
A poeta fluminense Bruna Beber, jovem, de Duque de Caxias (RJ), e que adotou São Paulo para morar. Autora dos livros A fila sem fim dos demônios descontentes (7Letras, 2006) e os Balés (Língua Geral, 2009). Em 2008 venceu o 2º Prêmio Quem Acontece, na categoria revelação literária