Para Fausto Gosson

 Não se pode ferir as asas de um anjo,

mas o fizeram nas franjas da noite;

 as ruas traem a quietude da casa,

a paz do Senhor é bandeira defraudada.

 Não se deve dizer mais que herói é o homem com seus sonhos, seu vigor, espada e nome, se as fantasias de querer mais que o céu na terra tornam impura a estrada, dilui passos em quimeras.

 (Meu querido menino, santos eram teus olhos, o Senhor da paz está contigo em óleo)

 Não fica impune o que rouba a inocência, O barro de Deus é obra de Suas mãos. Esta aliança não é perdida no azul do infinito, ainda que a mordida do tempo rasgue o manto. Uma criança chora no pai que enterra a semente, mas ele tem a esperança de um dia ouvir o canto do que hoje em letra e coração dorme eternamente.

 Alexandre Abrantes