(Tradução do sócio da UBE-RN – Horácio Paiva)

Escrevo-lhes, filhos,
para que não afastem de mim
tão depressa a infância que lhes dei.
Preciosos hóspedes de minhas manhãs,
venham todos os dias
aos recantos paternos de minha alma
e às suas esquecidas venturas.

Eu, que fui criança agonizando
diante da aurora,
eu, o filho
daquele pai senhor da angústia.

Filhos que apartam o sal das feridas,
sigam enchendo de alegria
este coração de sonhos.