O Cofre do Dr.Rui

 Livro do jornalista Tom Cardoso narra a história do maior assalto realizado pela luta armada no Brasil e o destino de cada um dos personagens deste assalto, conhecido como “A Grande Ação”.

Ele não sai das vitrines das principais livrarias do Brasil e está próximo de figurar na lista dos títulos mais vendidos do país. Se você pensou em algum livro sobre a saga de um vampiro adolescente ou em mais um manual de autoajuda, errou. O livro em questão se chama “O Cofre do Dr.Rui”, do jornalista Tom Cardoso, e conta a história de um dos acontecimentos mais emblemáticos da história contemporânea do Brasil:  como a Var-Palmares de Dilma Rousseff realizou o maior assalto da luta armada brasileira.

O episódio narrado de forma romanceada por Cardoso começa em 1969, quando a esquerda brasileira tentava se organizar após o baque sofrido pela promulgação do Ato Institucional N°5 (1968), que radicalizou a repressão no Brasil ao permitir ao regime militar cassar e suspender direitos políticos, intervir nos estados e municípios e exacerbar a censura à imprensa. Em pouco menos de um ano, várias lideranças da esquerda estavam presas, mortas ou no exílio. As que ainda se encontravam livres no Brasil, passavam toda a sorte de privações e perigos. Não havia dinheiro para sustentar a compra de armas ou mesmo assegurar a sobrevivência dos militantes, sobretudo aqueles que foram obrigados a viver no exterior. Era uma época de parcos recursos para a luta armada. Até que um dia, uma ação, a “Grande Ação”, conforme o batismo de Carlos Lamarca, apareceu no caminho dos grupos de esquerda com a promessa de ser uma reviravolta nos rumos da resistência à ditadura.

Durante os anos de chumbo”, boa parte dos recursos das organizações de esquerda vinham de assaltos a bancos, chamados pelos militantes destas organizações de “expropriações”. No início de julho de 1969, a recém formada Vanguarda Armada Revolucionária, a VAR-Palmares, adepta da luta armada, foi informada de um cofre repleto de dólares mantido em segredo absoluto em uma casa no bairro de Santa Tereza, Rio de Janeiro. O cofre estaria localizado na mansão onde morava o cardiologista Aarão Burlamaqui Benchimol, irmão de Ana Guimol Benchimol Capriglione, que fora amante de Adhemar de Barros, ex-governador de São Paulo, famoso pelo bordão “rouba, mas faz”, falecido quatro meses antes. Ana, que mantinha em segredo a fortuna de Adhemar, dinheiro supostamente desviado durante sua gestão, era conhecida nos meios políticos pelo pseudônimo de Dr.Rui, criado pelo próprio Adhemar para não levantar suspeitas publicas de seu envolvimento extraconjugal. O tal “Cofre do Dr.Rui” teria aproximadamente 200 mil dólares, valor que tiraria os militantes da dificuldade e ainda financiaria uma série de ações contra a repressão. Carlos Lamarca, ex-militar que passara para o lado dos guerrilheiros, soube da história e logo a batizou de “A Grande Ação”.

 

O ASSALTO

O assalto foi planejado nos mínimos detalhes. Ocorreu em uma sexta-feira, dia 18 de julho de 1969, quando apenas alguns poucos moradores da casa e outros poucos funcionários encontravam-se no local. No total, participaram diretamente da operação onze militantes da VAR-Palmares, entre eles o atual deputado estadual do Rio de Janeiro, Carlos Minc. Tratou-se de mega operação, envolvendo pessoas de várias regiões do Brasil, calculada sob medida para retirar o pesado cofre da casa, coloca-lo em um carro e leva-lo para um lugar seguro. O assalto e o transporte foram feitos sem sobressaltos. A grande surpresa, no entanto, estava na abertura do objeto. Ao invés de 200 mil dólares, os guerrilheiros encontraram um montante de 2 milhões e 598 mil dólares, que hoje equivalem a pouco mais de 20 milhões de dólares. A sorte parecia estar do lado da VAR-Palmares. O que o livro de Tom Cardoso mostra, porém, é que o dinheiro trouxe tudo, exceto boa sorte para os envolvidos na “Grande Ação”.

Ao lado dos preparativos e da execução do assalto, a essência do livro está no destino dos onze militantes que participaram da “expropriação” e de outros personagens que participaram de outra forma no episódio. A história de cada um mostra uma espécie de “maldição” que o dinheiro de Adhemar parecia carregar. No fundo, entretanto, o que o dinheiro realmente fez foi provocar fissuras e discordâncias já latentes entre pessoas e organizações.

A primeira das fissuras ocorreu logo nos momentos seguintes a abertura do cofre. Os guerrilheiros distribuíram entre si uma nota de um dólar para comemorar a ação, embora o “manual do guerrilheiro, que deveriam seguir, condenasse esse tipo de prática. Outros, achavam que era preciso celebrar em grande estilo, com camarão e vinho branco em um badalado bar do bairro do Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. Houve discordâncias nos dias e meses seguintes, discussões acirradas, quase um motim no seio da organização. O dinheiro acabou repartido, após uma confusa e tensa reunião entre lideranças da esquerda clandestina.

Com o avançar das investigações, a polícia prendeu vários guerrilheiros, que foram torturados e, por sua vez, deletaram outros companheiros. Um dos envolvidos sumiu com parte do dinheiro. Outro caiu em um golpe no exterior e perdeu boa parte do valor. Um grupo propôs uma nunca realizada redistribuição, no sentido de ajudar exilados em dificuldade no exterior. Outro grupo, esbanjou de uma qualidade de vida invejável. Em suma, o dinheiro catalisou diferenças e acelerou a fragmentação dos guerrilheiros em fações cada vez mais frágeis e efêmeras.

 

PERGUNTAS INCÔMODAS

Tom Cardoso, jornalista com passagens pelo Jornal da Tarde, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, Valor Econômico e IstoÉ Dinheiro, constrói o livro com uma narrativa que combina pesquisa histórica, diálogos e narrador em terceira pessoa. “O Cofre do Dr.Rui” não é, neste sentido, um livro clássico de história. O livro é o que se pode chamar de uma reportagem histórica, bem cadenciada, sem julgar ideologicamente os personagens. O que não significa dizer que o autor produziu uma obra acrítica. Em certo sentido, pelo contrário. A leitura das pouco mais de 140 páginas de “O Cofre do Dr.Rui” gera do início ao fim uma incômoda pergunta para o leitor: é possível ser ético na política? Ou ainda: a ideologia e a camaradagem resistem a tudo? Perguntas duras e que assombram ainda hoje parte da geração de 1968, sobretudo aquela que acompanha os mais atuais escândalos de corrupção no país.

A única coisa que soa desajustada no livro é o peso que se confere a participação da atual presidente Dilma Rousseff no assalto. Embora sua foto esteja na capa do livro e no subtítulo da obra, Dilma não participou diretamente da operação. Sua função na VAR-Palmares foi realizar a troca de parte do montante por cruzeiros, no Rio de Janeiro, e em outras ações secundárias, decorrentes do assalto. Embora tenha sido presa por seu envolvimento na organização, Dilma foi uma coadjuvante na “Grande Ação”. Portanto, seu destaque, não só na capa do livro como na maior parte das resenhas da obra, chega a ser um exagero, talvez uma estratégia para atrair mais leitores. O que nem seria preciso, uma vez que o livro é consistente e conta com um ótimo acabamento, não só no plano da narrativa quanto também no design editorial: boa arte, bom papel e índice onomástico.

“O Cofre do Dr.Rui” é uma leitura rápida, saborosa e bastante reflexiva sobre a política e os seus desafios. É um livro que fala ainda sobre a complexidade da relação entre os guerrilheiros de esquerda que tentaram implementar no Brasil diferentes métodos de luta. Uma discussão sem fim que acabou por enfraquecer o movimento e prolongar a vida de uma das mais sangrentas ditaduras do cone sul no século XX.

O Café História recomenda bastante a leitura da obra, com especial ênfase para aqueles que se interessam por história politica. E para quem gosta de cinema, o livro pode ser um belo aperitivo. Recentemente, os direitos do livro foram vendidos para Rodrigo Teixeira, responsável por filmes como “O Cheiro do Ralo” e “O Casamento de Romeu e Julieta”. É aguardar e conferir.

 

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

“O Cofre do Dr.Rui” é publicado pela editora Civilização Brasileira. Possui 171 páginas e seu preço mais comum é de R$29,00. Pode ser encontrado com facilidade. Capa do livro: Elmo Rosa.