Paulo de Tarso Correia de Melo é hoje um dos nomes mais conhecidos e conceituados entre os poetas do Estado dom Rio Grande do Norte. Nascido em Natal (RN), em 5 de abril de 1944, filho de João José de Melo e Gracilde Correia de Melo, formou-se em Pedagogia na UFRN, em 1967. É professor aposentado da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Educação, tendo cursado a pós-graduação (Master of Arts in Education) na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, em 1973.
Desde muito jovem, Paulo de Tarso está ligado à vida intelectual da cidade, colaborando nos jornais e publicando ensaios sobre literatura. Mas sua grande paixão sempre foi o fazer poético. Leitor voraz e crítico da literatura universal, o poeta relutou em apresentar sua produção ao público. Apenas nos últimos anos é que tem vencido essa natural ansiedade de quem conhece a fundo sua arte e, ousado, lançar-se aos leitores. Numa rápida visada sobre sua obra, nota-se a presença de duas grandes vertentes, aparentemente opostas, que habilmente concilia: uma, de caráter extremamente erudito, remonta às fontes gregas da poesia ocidental, muito bem representada em Talhe Rupestre; a outra resgata traços da poesia popular nordestina e tem, nos livros Folhetim cordial da guerra em Natal e Romances de Alcaçus, sua melhor exemplificação.
Em Natal: secreta biografia, o poeta colocou um texto teórico no qual faz sua “profissão de fé”, no ofício da poesia. São suas as palavras:

Acredito na poesia como uma forma de conhecimento. Capaz de expressar as percepções mais finas, os passos do pensamento mais elaborado. Em todas as épocas, a poesia teve e terá sempre um caráter antecipatório. Não somente porque os grandes livros iniciais da humanidade foram escritos em forma poética, mas porque até hoje a poesia é uma busca de novas linguagens, uma premonição de novos conhecimentos, uma previsão de novos mundos. E também um registro e recuperação de linguagens passadas e uma recriação de mundos perdidos. (p.87)

Sua obra tem recebido importantes prêmios, como o Prêmio Estadual de Poesia Auta de Souza, pelo livro Natal: secreta biografia, e o Prêmio Municipal de Poesia Othoniel Menezes, pelo Folhetim cordial da guerra em Natal e Cordial folhetim da guerra em Parnamirim, no ano de 1991.
Paulo de Tarso é também autor de inúmeros prefácios e estudos críticos acerca da poesia norte-rio-grandense. Entre os poetas por ele já estudados, citamos Zila Mamede, Myriam Coeli, Luís Carlos Guimarães, Sanderson Negreiro e Gilberto Avelino.

OBRAS PUBLICADAS

. Talhe rupestre. Natal: Cooperativa Cultural da UFRN, 1993. (Poesia)
. Natal:secreta biografia
. Natal: Edições Triângulo; Fundação José Augusto; Fundação Sócio-cultural Santa Maria; Cooperativa Cultural da UFRN, 1994. (Poesia)
. Folhetim cordial da guerra em Natal e Cordial folhetim da guerra em Parnamirim
. Natal: Ed. Da UFRN, 1994. (Poesia)
. Romances de Alcaçus
. Natal: Edufrn, 1998. (Poesia)
. Casa da Metáfora
. Natal: Separata  da Revista da ANL, 2000. (Poesia)
. 14 Moedas Antigas
. Natal: Separata  da Revista da ANL, 2002.
. Rio dos Homens
. Recife: Bagaço, 2002. (Poesia)
. O Sobrado das Palavras
. Recife: Bagaço, 2002. (Poesia)
.Talhe Rupestre (poesia reunida e inéditos
). Natal: EDFRN,2009. (Poesia)
- Uma Nova Antologia Pessoal

– Sabença

-  Cantos de Amerigo e outros cantares da Terra Natal

– Assunto de Família

In: Literatura do Rio Grande do Norte (org. Constância Lima Duarte e Diva Maria Cunha Pereira de Macedo). Natal: Governo do Estado, 2001).