“A gens Albuquerque Maranhão, da ilustre Casa de Cunhaú, no amanhecer do Brasil, teve destacada atenção da formação da nacionalidade” (João d’Albuquerque Maranhão , “História da Casa de Cunhaú”. Recife: Arquivo Público Estadual, 1956, p. 103.).

Pesquisa e texto: Frank Tavares Correia

A HISTORIA DA CASA DE CUNHAÚ E SEU AUTOR

Livro de genealogia abordando a saga da – Família Maranhão – a partir de JERÔNIMO DE ALBUQUERQUE, o velho, no século XVI e, encerrando, com os traços biográficos do desembargador LUÍS DE ALBUQUERQUE MARANHÃO (1875-1949).

A edição de HISTÓRIA DA CASA DE CUNHAÚ data de 1956, sendo patrocinada pelo Arquivo Público Estadual de Pernambuco. Conta com 292 págs., dez capítulos, apêndice com 23 documentos e trinta gravuras ilustrando a obra. Destaque para o prefacio de GILBERTO FREYRE (1900-1987).

João d’Albuquerque Maranhão, o autor, era potiguar. Nascido em 20-08-1883 e falecido em 24 de maio de 1958, no Rio de Janeiro.

João d’Albuquerque Maranhão é autor ainda das seguintes obras:

“Dies Irae” (1915); “Ode a França” (1918); “Amazonas este esquecido” (1942); “História da indústria açucareira no Nordeste” (1949); “Centenário de Amaro Cavalcanti” – discurso – (1949); “Jerônimo de Albuquerque Maranhão o 1° General Brasileiro” (1953); “Os Capitães-mores Antônio e Mathias de Albuquerque Maranhão na Guerra de Pernambuco contra os batavos” (1953); “Capistrano de Abreu visto de perto” (1954); “Em torno de um novo conceito de tropicalismo” (s/data); “Livro de Lama” (s/data); “Imagens do Brasil” (1945);