Mestre em Economia, pela PUC/SP, com extensão em Sociologia e História; pós-graduado em Economia Aplicada para Executivos, pela FGV/SP e Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Cidade de São Paulo. É Professor universitário, Auditor, Consultor e Perito Contábil e Especialista em Avaliação de Sociedades Empresárias. Membro da Academia Norte-rio-grandense de Ciências Contábeis e do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte.

É autor, com cerca de 40 obras e seus livros são adotados por importantes universidades brasileiras e, também, estão nas prateleiras das bibliotecas das mais importantes instituições de ensino da América do Norte e da Europa. Suas obras estão em Harvard, Princeton, Stanford, Cornell, Berkeley, Washington University, Brown University, University of Illinois, Indiana University, University of Delaware, na Univervid Complutense de Madrid e na Universidade de Coimbra. Publica regularmente artigos em revistas acadêmicas e literárias. Como jornalista atuou em vários órgãos de imprensa do país. Como articulista, ainda colabora em diversos órgãos da imprensa nacional.

Seus principais livros:

Depoimentos sobre Tomislav R. Femenick

  • Guido Mantega, ex-professor do curso de Mestrado em Economia Política da PUC/SP, ex-ministro do Planejamento e Ministro da Fazenda dos governos Lula e Dilma, sobre a monografia “Visões feudais nos pensadores da economia política brasileira”: “Muito bom. O trabalho está bom e reflete um esforço de pesquisa que merece ser continuado”.
  • Paul Singer, ex-professor do curso de Mestrado em Economia Política da PUC/SP, da USP e Unicamp, sobre a monografia “Kayns-Kalecki: uma abordagem comparativa”: “Trabalho notável pela ampla pesquisa bibliográfica”.
  • Francisco de Oliveira, ex-professor de PUC/SP, da USP e Unicamp: “Fui seu orientador na tese de mestrado, na PUC/SP e já então me impressionavam sua tenacidade e a abrangência de suas leituras. De que não há dúvida é do benefício que se tira do esforço desse descendente de croata e nordestina de Mossoró. Etnias (?) ou simplesmente culturas de sobrevivência difícil ao longo da história, agravadas na modernidade globalizada. Num certo dia incerto, um imigrante croata chegou e encontrou uma moça da terra de Mossoró. Gostaram-se. O Estado Novo depois os perseguiu porque na brutalidade ignorante do “estado de exceção” o estrangeiro é sempre suspeito. Tomislav conheceu com os pais o campo de concentração, na estúpida versão brasileiro-getulista, um dos episódios mais sinistros de nossa história, abafado primeiro pelo DIP getulista e depois engavetado pelos estudiosos da história brasileira. Entende-se por que ele gosta tanto de história…”
  • Hilário Franco, professor e autor de vários livros: “Tomislav escreve fácil sobre temas dificeis. Sua escrita é concisa, direta, sem acessórios, porém completa”.
  • Vicente Serjo: “Os contos de Tomislav Femenick são pequenas histórias que ele soube contar aos seus leitores. Nascidas daqueles temas da vida besta de que falava Mário de Andrade, porque retiradas do dia a dia. Nada há que não seja profundamente humano porque humanas são as criaturas dessas histórias. E tão verdadeiras que se entregam ao leitor com suas virtudes e vícios, afinal ninguém sopra vida em criaturas sem antes tê-las conhecido em algum lugar. É como se o ficcionista tivesse a capacidade de operar o milagre da transcendência. Afinal, é um criador e, por ser assim, pode também dispor do mundo e das criaturas que ele criou. Nada escapa, nem o detalhe mais comum, ao olho perscrutador de Tomislav Femenick, esse contador de histórias.

Seu estilo de narrativa beira a displicência de tão aparentemente banal no jeito de dizer, e onde nem sempre é fácil perceber que tudo faz parte de uma arquitetura consciente que embrulha de simplicidade a riqueza comum das contradições humanas. Tomislav sabe levar o leitor a desconfiar que exista algo de comum entre o dia do funcionário público e a renúncia do Deus brasileiro que inventamos como se fosse um amuleto. E faz as lembranças tomarem corpo nas arandelas da fumaça de um cigarro Gilda.

E um traço parece marcar mais profundamente o mundo que Tomislav criou: seu gosto apurado pelas histórias policiais, ricas de personagens rabugentos, com nomes que estranhamente falsificam a vida ou são feitos de surpreendente oralidade, como no caso de Carlinhos 33, que tem nome de bandido, mas é a vítima de cartas anônimas. Tomislav sabe que a transgressão é um dos traços mais humanos no crime, onde tudo se eterniza no criminoso para não morrer com a vítima. Por isso o autor nos leva a não esquecer a vida. Cada história é um aviso. Ora que se deve desconfiar da virtude; ora do amor ou e da fé, da verdade e do pecado. Cada história é um caco de um vitral poliédrico que embora multifacetado nos seus reflexos, acaba formando a imagem do ser humano. Com todas as suas contradições. Entre a riqueza das suas angústias e a miséria dos seus remorsos”.