I EPE – CONSTRUINDO O SONHO

Meus Senhores,
Minhas Senhoras


O Céu e a Terra estão em festa com a construção da União Brasileira de Escritores do Rio Grande do Norte – UBE/RN. Explico melhor: no dia 16 (dezesseis) de novembro do longínquo ano de 1984, no Salão dos Grandes Atos da Fundação José Augusto, o escritor Fagundes de Meneses, norte-riograndense, radicado no Sudeste do Brasil, instalou, com a presença de 19 intelectuais (Jansen Leiros, Nivaldo Monte, Fagundes de Menezes, Deífilo Gurgel, Itamar de Souza, Valério Mesquita, Veríssimo de Melo, Paulo Macedo, Marise de Castro, Zila Mamede, Franco Jasiello, Reinaldo Aguiar, Eulício Larceda, Racine Santos, Marcos Maranhão, Luís Rabelo, Edna Duarte, Luís Carlos Guimarães e Antônio Soares Filho) a União Brasileira de Escritores -Seccional do RN. O eminente Arcebispo Dom Nivaldo Monte foi escolhido o presidente interino, com a missão de organizar o processo eleitoral, que veio acontecer em dezembro daquele ano. Foram eleitos Franco Maria Jasiello e Luís Carlos Guimarães, presidente e vice, respectivamente. Seis meses depois, foi eleito o dramaturgo Racine Santos. Por motivos que desconheço, veio um interregno de 22 anos até que, em 23 de março de 2006, um grupo(Anna Maria Cascudo Barreto, Manoel Onofre de Souza Júnior, Racine Santos, Pedro Vicente da Costa Sobrinho, Nelson Patriota, Eduardo Gosson e Carlos Roberto de Miranda Gomes), liderado pelo poeta Lívio Oliveira, reativou a União Brasileira de Escritores do Rio Grande do Norte. Nos últimos dois anos, a Diretoria Provisória desenvolveu campanhas permanentes em defesa dos nossos escritores , providenciou um Estatuto e, encaminhou ao Poder Legislativo, através dos deputados José Dias e Fernando Mineiro, a Lei do Livro e do Autor Potiguar – marco para importantes mudanças no mundo da Cultura.


Uma pergunta se impõe: por que tanto tempo para organizar os intelectuais? A resposta a essa questão requer algumas preliminares, a seguir expostas. O poeta Ezra Pound escreveu: “O poeta é antena da raça, da civilização”. Por ter uma visão profética, consegue ver coisas mil anos antes dos seus contemporâneos. Essa especificidade faz com que o escritor tenha muita idiossincrasias.


Fincado os alicerces, inicia-se com este I Encontro Potiguar de Escritores uma nova etapa organizacional – aglutinar os intelectuais em um órgão de classe.
O filósofo italiano Antônio Gramsci, fundador do Partido Comunista Italiano, hoje Partido da Esquerda Democrática, assim coloca o problema:


“No mundo moderno, a categoria dos intelectuais, assim entendido, ampliou-se de modo inaudito. Foram elaboradas, pelo sistema social democrático-burguês, imponentes massas de intelectuais, nem todas justificadas pelas necessidades sociais da produção, antes que justificadas pelas necessidades políticas do grupo fundamental dominante.(…) A formação em massa estandartizou os indivíduos, na qualificação intelectual e na psicologia, determinando os mesmos fenômenos que ocorrem em todas as outras massas estandartizadas: concorrência (que coloca a necessidade de organização profissional de defesa), desemprego, superprodução escolar, emigração, etc.”. (In Os Intelectuais e a Organização da Cultura, Antônio Gramsci, 2ª edição, Civilização Brasileira, pág. 12).


Observando-se a Programação deste I Encontro Potiguar de Escritores, ver-se-á a preocupação em abranger todas a regiões do Estado, bem como as diversas gerações: dos Jovens Escribas, passando pela Nova Literatura do Seridó, Cultura Popular, o Teatro Potiguar até nomes consagrados; as entidades específicas de escritores (Academia Norte-Riograndense de Letras, o Instituto Histórico e Geográfico, a Academia Feminina de Letras, a Academia de Trovas e a Sociedade dos Poetas Vivos e Afins), formando na diversidade uma identidade cultural. Em seguida, uma outra indagação: qual é realmente o verdadeiro compromisso do escritor? O poeta e ensaísta T.S. Eliot respondeu muito bem:


“a tarefa do poeta, como poeta, é apenas indireta com relação ao seu povo: sua tarefa direta é com sua língua, primeiro para preservá-la, segundo para distendê-la e aperfeiçoá-la. Ao exprimir o que outras pessoas sentem, também ele está modificando seu sentimento ao torná-lo mais consciente; ele está tornando as pessoas mais conscientes daquilo que já sentem e, por conseguinte, ensinado-lhes algo sobre si próprias. Mas o poeta não é apenas uma pessoa mais consciente do que outras; é também individualmente distinto de outra pessoa, assim como de outros poetas, e pode fazer com que seus leitores partilhem conscientemente de novos sentimentos que ainda não haviam experimentado. Essa é a diferença entre o escritor que é apenas excêntrico ou louco e o autêntico poeta”. (In De Poesia e de Poetas, T.S. Eliot, Editora Brasiliense, pág. 31). E, para completar este moisaco, quero homenagear 12 personalidades que tem tudo a ver com essa História:


1. Deífilo Gurgel nasceu em Areia Branca/RN em 22 de outubro de 1926. Poeta, folclorista, renomado pesquisador da cultura popular. São duas as vertentes de seu trabalho: o romanceiro ibérico e o romanceiro do cangaço. Estreou em 1961 com o livro Cais da ausência (poesia). É autor de uma vasta obra. É considerado um exímio sonetista.


2. Tarcísio Gurgel nasceu em Mossoró/RN em 6 de outubro de 1945. Ficcionista, estreou com o livro Os de Macatuba, em 1975. Autor de diversos livros, publicou em 2001 a monumental obra Informação da Literatura Potiguar, primeira História da Literatura Potiguar.


3. Diógenes da Cunha Lima nasceu em Nova Cruz/RN em 20 de julho de 1937. Autor de diversas biografias enfocando grandes nomes do RN, Diógens é sobretudo poeta. Autor de mais de 20 livros, em 1968 publicou Lua 4 vezes sol (poesia) sua primeira obra. É presidente da Academia Norte-Riograndense de Letras.


4. Enélio Lima Petrovich nasceu em Natal/RN no dia 13 de junho de 1934. Historiador, é autor do clássico Reflexões (Direito e Justiça) e de mais de 20 livros, alternado Direito Previdenciário e História. É presidente do Instituto Histórico e Geográfico do RN, a mais antiga instituição cultural do Estado, fundada em 29 de março de 1902.


5. José Dias de Souza Martins nasceu em Martins/RN em 07de abril de 1939. Deputado Estadual por cinco mandatos, é um parlamentar atuante, enobrecendo a atividade política. Co-autor da lei do livro e do Autor Potiguar.


6. Fernando Wanderley Vargas da Silva (Fernando Mineiro) nasceu em Curvelo/MG em 06 de dezembro de 1956. Deputado Estadual oriundo do movimento sindical, é fundador do Partido dos Trabalhadores – PT. Junto com o deputado José Dias, é co-autor da lei do livro e do Autor Potiguar. Tem dado uma atenção especial aos movimentos culturais.


7. Ivan Cardoso de Carvalho Júnior, proprietário da Off Set Gráfica. Sobrinho do saudoso editor Carlos Lima, de quem aprendeu tudo sobre livro. Apóia sempre os pleitos da UBE/RN.


8. José Pinto Júnior, jornalista da TV União, que tem concedido amplos espaços para UBE/RN e para a Cultura Potiguar.


9. José Abimael da Silva nasceu em Várzea/RN no dia 13 de maio de 1963. Proprietário do Sebo Vermelho, tem feito um trabalho meritório, publicando Autores Potiguares. Mais de 200 títulos até agora.


10. Dácio Tavares de Freitas Galvão nasceu em Natal/RN em 1957. Poeta ligado às Vanguardas, publicou diversos livros, destacando-se Da Poesia ao Poema. Presidente da Fundação Capitania das Artes – FUNCARTE.


11. Lívio Oliveira nasceu em Natal/RN em 16 de agosto de 1969. Poeta, ensaísta, autor de vários livros, entre os quais Bibliotecas Vivas do RN. Primeiro presidente da 2ª segunda fase da União Brasileira de Escritores do RN.


12. Osvaldo Soares da Cruz nascido em Taipu/RN em 14 de março de de 1946 (Dia da Poesia). Desembargador, atualmente preside o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. Tem dado forte apoio para a implantação do Memorial Desembargador Vicente de Lemos.


Por fim, quero lembrar do médico, pensador e poeta português Miguel Torga: “Quem faz aquilo que pode, faz o que deve”. Missão cumprida, pois! Bem-vindos ao I Encontro Potiguar de Escritores!


Eduardo Gosson
Presidente da UBE/RN
Natal, 24 de março de 2008.


PROGRAMAÇAO – I ENCONTRO POTIGUAR DE ESCRITORES


Segunda-feira, 24.03.2008


9h- Abertura


10h30m – Poesia… Por quê? (Lisbeth Lima, Demétrio Diniz e Napoleão Paiva) Moderador: Pablo Capistrano


14h – Poetas do Mundo – Deth Haak


15h – A Nova Literatura do Seridó (Maria José Gomes, Iara Maria de Carvalho e Jeanne Araujo) Moderador: Manoel Onofre Jr.


16h30m – Poema Processo: 1967-2007 (Anchieta Fernandes, Dácio Galvão e Falves Silva) Moderador: Lívio Oliveira


18h – Lançamentos de diversos livros


19h – A Importância da Literatura de Cordel na Cultura Brasileira (Crispiniano Neto, Deífilo Gurgel e Gutenberg Costa) Moderador: Severino Vicente


20h30m – O Teatro Potiguar: Perspectivas (Ivonete Albano, Grimário Faria e Racine Santos) Moderador: Harlane Rodrigues


Terça-feira, 25.03.2008


9h: A Prosa Potiguar: A Crônica, o Conto e o Romance (Vicente Serejo, Bartolomeu Correia e Caio Flávio Oliveira) Moderador: Tarcísio Gurgel


10h30 – Academia de Trovas: Origem e Importância (Jair Figueiredo)


14h – Os Jovens Escribas: A Força que vem do novo (Carlos Fialho, Rodrigo Levino e Patrício Jr) Moderador: Sheila Azevedo


15h – Biografias, Biografias… (Anna Maria Cascudo, Diógenes da Cunha Lima, Gilmara Benevides e Nelson Patriota) Moderador: Enélio Petrovich


17h – lançamentos e relançamentos


18h – Coleção Mossoroense (Cid Augusto)


19h – Cascudo, sempre Cascudo (Anna Maria Cascudo, Humberto Hermenegildo, Vicente Serejo e Roberto da Silva) Moderador: Daliana Cascudo


20h30m – Academia Feminina de Letras: origem e importância (Zelma Furtado) Moderador: Aluizio Matias


Quarta-feira, 26.03.2008


9h – A Lei do Livro e do Autor Potiguar (Lívio Oliveira, Fernando Mineiro, José Dias e Rosemary Guillén) Moderador: Carlos Gomes


10h30 – Sociedade dos Poetas Vivos e Afins (Jania de Souza, Pedro Grilo e Zé Martins) Moderador: Rizolete Fernandes


14h – Assembléia Geral da UBE/RN


18h – Apresentação da Banda de Música da Polícia Militar


Veja as fotos