Por Eduardo Gosson

Hoje, no Calendário, comemora-se o Dia de Finados: 2 de Novembro. O Poder Público e a iniciativa privada preparam os Cemitérios para receberem as pessoas que vão referenciar os seus mortos. Os rituais mudam conforme as crenças.

Preparo-me e vou visitar os meus mortos já que “a morte existe, os mortos não” como bem definiu o  Mestre Cascudo. No Cemitério do Alecrim estão os restos mortais de: avô, avó, pai, tios; em Emaús, mãe e tios; em Nova Descoberta, ao pé das dunas, em silêncio profundo, sem direito ao sim e ao não, jaz o meu filho Fausto Gosson, arrebatado desta vida em 26 de maio deste ano de 2012.

Filho amado, tua mãe, filhas, eu e teu irmão gêmeo Thiago não sabemos medir a extensão desta dor. Por isso, levamos flores para enfeitar a tua nova morada. Em cada flor um simbolismo: as amarelas celebram a tua amizade; as brancas, o teu coração de paz; as azuis a tua solidão e as vermelhas a nosso amor. Descanse em paz meu menino, já que neste mundo a vida   foi-te  dura.Que a paz do Senhor esteja contigo por todo o sempre!

Eu não sabia que doía tanto!

(*) Poeta, preside a União Brasileira de Escritores – UBE/RN.