Chegaste assim...     Assim..., como um ladrão, chegaste e foste entrando, Eu descuidei um pouco, deixando a porta aberta, Ou foi meu coração que não ligou pro alerta E permitiu-te entrar.  Já foste te apossando   Do meu ser sensível, que por estar amando, Não viu, não percebeu que aquela “grande oferta” Não era o que parece, achava-se encoberta Por algo que escondia aquele ser nefando.   Doando a minha alma e o meu coração, Amei com desespero e abnegação Alguém que não me deu o valor merecido.   Hoje, pra consolar-me, eu acuso o Cupido, Que é cego e desprovido de qualquer noção Do quanto ele machuca e fere por paixão.     Rosa Regis Natal/RN INCAPAZ DE SONHAR (em resposta ao ROUBO DE SONHOS, de Fernando Cunha Lima)     Se o meu sonho não tem pra onde ir, E fica vagueando no horizonte, Procurando do amor a sua fonte, Sem saber se deve ou não seguir...   Eu perco o sono, fico sem dormir, Procurando com o pensar fazendo ponte A um passado que careceu remonte Porém que, sem conserto, o vi partir.   Você roubou meu sonho verdadeiro Carregando, consigo, por inteiro, Minha capacidade de sonhar.   Agora, estou perdida em pensamentos, Procurando fugir aos meus tormentos Que você impingiu-me ao me deixar.