01 – Avô/Avó

Meu avô
Antônio José Gosson
Era libanês.
Deixou sua pátria,
Sua língua.
Transpôs oceanos,
Só não
A melancolia.
Levou-a
Para a Eternidade

Com esses versos começo a reverenciar a sua memória para evitar o pior – o esquecimento.  Nascido no Líbano, durante a I Guerra Mundial trabalhou numa fábrica de doces para ajudar a família. Quando veio para o Brasil, precisamente o Ceará/RN, já veio casado com a senhora Sofia Hamaney Leide. Moreno, queimado pelo Sol escaldante do deserto,  altura de 1,60m, segundo dados contidos no seu passaporte.

Como todo árabe, era apaixonada pelo Comércio, herança milenar que veio dos Fenícios. Primeiro, estabeleceu-se em Maranguape/CE onde gerou os seus 06 filhos: Hulimase, José, Jamyles  (grifado com y e no plural),  Elias, Francisco e Jorge. Com a vinda do seu irmão Abdon para o Rio Grande do Norte, alguns anos se passaram quando recebeu um telegrama do irmão mais novo:

 “— Aqui é muito bom. Venda  tudo e venha”

 Assim o fez, vendeu tudo e veio. Ao contrário do irmão que prosperou, não teve o mesmo destino. Afinal, no Capitalismo o sol não é para todos: é preciso que a maioria caia para que uns poucos façam sucesso. É a sua lógica cruel.

 As lembranças que tenho dele são poucas, porque quando tomou a Nau da Eternidade, eu tinha dois anos e oito meses. Contudo, lembro-me de alguns momentos: quando vinha passar o final de semana às vezes ficava de camiseta e meias quando ele passava em direção à loja (eram conjugadas) e dizia num português arrastado:

 “—Antum, (queria dizer Antônio) e passava a mão na minha cabeça.”.                                     

Gostava de colecionar amigos e no final de semana ia caçar:

 “—passo a semana inteira trabalhando e quando chega o final de semana ainda vou caçar. Não tenho tempo para nada”, reclamava. Era quando sua filha  Hulimase, retrucava:

 “—papai o senhor vai porque quer. Ninguém está obrigando”.

Quando se fala hoje QUALIDADE TOTAL tenho que incluí-lo como precursor. Dizia sempre:

 “ -- o freguês tem toda a razão”.

Procurava fazer de tudo para satisfazer o cliente. Tinha a certeza que o cliente é a porta de entrada do sistema. Portanto, deveria ser bem tratado.

 Falante, colecionou muitas amizades femininas. Gostava muito de ir à feira das Rocas onde fez amizade com uma comadre. Após a sua morte, essa senhora apareceu com dois filhos dizendo que eram dele. Hulimase, a filha mais velha, não mandou fazer exames. Dizia:

 “— os dois meninos eram a  cara do meu pai.” Providenciou a pensão do INSS para esses novos irmãos.

Minha avó, por sua vez, morreu muito jovem: 52 anos. Sofria de diabetes, que naquela época não tinha tantos recursos como hoje. Quando estava para morrer dizia para os filhos:

 “—quando eu sair deste hospital eu vou criar aquele menino. Minhas filhas, caso eu não saia,  não o abandone.”.

Eu não sabia que doía tanto!