"ABRIL

 

 

Somos de
Abril

Por onde são
feitas   

As minutas     

Espreguiçam-se
os bocejos

Delineiam-se
traços da natureza

E se
escrevem palavras livres.

 

Abril de águas
límpidas  e maios colecionados

Expressos em
rosas maturadas de febris vermelhos

Sagrando os templos
os paços os dias.

 

 

Somos de
Abril

Por onde a
natureza reinaugura trimestres

E o
calendário se move

Por força da
terra firmemente pisada, compactada,

Acomodando pedregulhos
e segredos abissais.

 

Abril descabido
e tosco

Desembocadura
ao contrário do rio

Por onde
flutuam as embarcações que levam e trazem

Gritos e
sussurros de alucinado amor rememorado."