ORIGEM DO SÃO JOÃO
(Filho de Santa Isabel
que era prima de Maria)

Dizem que Nossa Senhora
Quando estava esperando
Nosso Senhor Jesus Cristo,
Com sua prima encontrando,
Combina com ela a forma
De ficarem-se “falando”.

É que elas moravam longe
Uma da outra e, então,
Demoravam a se encontrar.
E, assim, a mãe de João,
Diz: - Nós faremos fumaça
Para a comunicação!

E aí fica combinado
Que, tudo que acontecer:
Com Maria, com Isabel,
Com os filhos pra nascer,
Será através da fumaça
Que uma a outra, vai dizer.

E a fumaça produzida
Por uma grande fogueira
A Vinte e Quatro de Junho
Pela sua vez primeira,
Do nascimento de João
Deu notícia verdadeira.

E o estalar da lenha
Que eram toras verdinhas
Provoca chispas de fogo
Parecendo com estrelinhas.
Aí, depois, como “herança”,
Muitos fogos e advinhas.

E vai sendo incrementado
O São João: com muita dança,
Com marcos, com bandeirolas,
Com foguinhos pra criança,
Com quadrilhas, com comidas
Típicas - que enchem a pança.

Outros Santos, vão surgindo
Para fazer companhia
Ao São João, no seu mês:
Santo Antônio, que seria
O santo casamenteiro,
Das solteiras, a alegria.

E o tal Santo, coitadinho,
Sofre que faz até dó,
Amarrado a um cantinho
Dos pés até o gogó,
Para que dê um marido
A quem tá no caritó.

São Pedro, chefe da Igreja,
Na primeira ordem papal,
Com São Paulo, seu amigo,
A Vinte e nove, afinal,
Do mês junino, recebe
Festejo comemoral.

E, finalmente, durante
Todo o mês junino, há
Festanças e comilanças:
Bolo, cuscuz, munguzá,
Pamonha, cangica... e tudo
Que, de milho, se fará.

Quadrilhas; cocos de roda;
Bumbas-meu-boi; pastoril;
O forró de pé de serra
No Nordeste do Brasil.
É um auê de alegria!
E o coração fica a mil!!!

Rosa Regis

Natal/RN – Brasil